terça-feira, 27 de dezembro de 2011


Dia ruim



Juro!!Queria fugir para qualquer lugar que não trouxesse na boca o gosto amargo dos meus enganos. Iria correndo, se fosse possível, para longe de toda as farpas, todas as facas amoladas só para não ver o fracasso crescente daquele que sonhou em vão.  Alguém diante daqueles olhos tristonhos lhe diz palavras de consolo: talvez não seja a hora, Deus sabe de tudo, tente outra vez, não desista...fingis que ouve  só para conter as lágrimas. Chorar na frente dos outros não  resolverá nada...tão pouco abraço, nem carinho...porque sonhos desfeitos são tão doloridos e incômodos quanto unha encravada. Aquele abraço, deixe para mais tarde quando a alma em um esforço absurdo se erguer e sair desse poço sem fundo em que se encontra prostrada...durante este dia permito-me ser triste.  A vida tb se constitui de dias ruins...só por hoje sentirei pena de mim. Talvez, apiedar-se  amenize as vozes lá de dentro que insistem em gritar em todos os idiomas todos os meus fracassos.  Quem sabe fechar os olhos diante do espelho acalme os impulsos e freie essa vontade insana  de flertar com este imensurável precípicio que aqui se forma...Amanhã, lembrarei de chutar todas as pedras,  hoje quero apenas senti-las bem embaixo dos pés... Não consegui, sei.entretanto, fui o mais longe que poderia ter ido.



segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Leminski

Ai daqueles
que se amaram sem nenhuma briga
aqueles que deixaram
que a mágoa nova
virasse a chaga antiga

ai daqueles que se amaram
sem saber que amar é pão feito em casa
e que a pedra só não voa
porque não quer
não porque não tem asa


Home


Fazia tempo que não visitava aquele lugar. O mato crescia  em direção a porta. as paredes ainda úmidas da última chuva traziam na cor desbotada as lembranças  de uma época feliz.  As janelas  fechadas não permitiam ver as cores tão vivas daquela sala... um tapete estendido pelo chão, o sofá bem no canto, a cadeira de balanço inerte por tantos anos e aquela presença revivida no cheirinho beom do café sendo preparada a alguns metros daquele homem forte e tão sofrido. A vida não foi tão generosa com ele. Deu-lhe muito e cobrou seu preço. Hoje, diante daquela casa, coim sua cabeça baixa e os olhos completamente cheios de lágrimas percebeu o quanto precisou caminhar sobre terrenos pantanosos, noites de tormentas para compreender que não há no mundo nada que se compare a aquilo que na vida chamamos de lar.

quinta-feira, 24 de novembro de 2011


quarta-feira, 23 de novembro de 2011

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Não esperee...

Sou apenas uma menina caminhando pelo mundo construindo coisas  e desconstruindo outras. Nesse caso, não me force ser quem não sou. não adianta ficar esperando de mim decisões mais adultas. Não traço planos, não crio expectativas, não amo esperando em troca as mesmas condições favoráveis e também não estou nem aí para definir qualquer situação que eventualmente ocorra na minha vida. Isso me torna aos olhos de algumas pessoas  alguém forte, mas eu não sou. Sou menina de coração calejado, feita para te olhar nos olhos e lhe dizer verdades insuportáveis sem esperar nada em troca. Entendo que nada na vida é definitivo e que verdades são absolutas porque são subjetivas...por isso, não peça com esses olhos de gato de botas para que mude meus paradgmas só para que vc caiba em meus braços, porque não o farei. Gostar pra mim não é ser igual ao outro, é ser diferente e completar-me assim. Todos os dia me reivento, então, não me force a ser quem não sou só para lhe agradar as ilusões diárias.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Proteção

Com o punhal  entre os dedos abriu o peito sem muito esforço. Traçou minuciosamente onde cada sentimento deveria se encaixar, sabia que alguns precisariam de um espaço maior, outros nem tanto. Fragmentou cada espaço, compactou cada pulsar. Achava que assim seria mais cômodo levar aquela infima vida . Debruçou seu pensar sobre suas escolhas, imaginou que pudesse definir daquele momento em diante  todo o restante. Enganou-se! Sentimentos crescem, multiplicam-se, reorganizam-se fazem do velho um novo tecido.... aqueles espaços não adiantavam de nada porque os compartimentoshaveriam de ser embaralhados e cada  definição feito bula de remédio perderia  seu sentido. Ainda assim, insistia em retalhar-se como se aquele esforço lhe valhesse de alguma proteção...


sexta-feira, 18 de novembro de 2011


domingo, 13 de novembro de 2011

Turismo

Cada homem é um mundo... Seja turista!!! 

sábado, 12 de novembro de 2011

Abraçoooooooo

 
" Depois do abraço, ninguém notava, mas sempre voltávamos trocados:
Um levando o coração do outro."

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Cartinha póstuma

Moça bonita sem laço de fita, queria que você fosse aquela metamorfose ambulante sempre mudando, sempre deixando de ser. Já vi que não dá, teu lance é juntar a família e no domingo dar comida aos macacos. Então, vá. Só que antes, minha flor vê  se deixa alguém plantar um carinho nesse teu peito inquieto. Entenda, não estou articulando com o conhecido, Quero apenas que vc compreenda que as vezes é preciso aceitar o amor do jeito que está posto. Nada além...se é o que te cabe ao caminho nesse momento. Faça dessa a melhor estrada. São os medos que nos dão medo e nos confudem. Não é o outro e sua utopia desvairada. Por isso, eu prefiro sempre ser essa metamorfose ambulante, do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo . sobre o que é o amor.

Viva viva viva mesmo que a opção não seja alternativa.
Belê

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

A palavra Certa

Era um vício aquele contato, sempre regrado, no mesmo horário e iniciado pela mesma frase: tudo bem?Era espera, era cárcere aquele mover tão intenso, tão metódico.Deeseja ver naqueles  olhos todas aquelas palavras ditas ou contidas nos tantos SMs trocados. Mas, nada do que se queria acontecia.  Aquele desejo, que antes enchia o peito de uma nobre esperança...agora lhe causava o sufocar das palavras, uma quase morte. Se é que alguém morrer de algo que se imaginou. Porque imaginar era tudo que possuia como sendo deles. Nada além de breves pensamentos interligados pelos fios das ilusões. Já não sabia por onde seguir...continuar? desistir? Eis a questão.




segunda-feira, 7 de novembro de 2011

sábado, 5 de novembro de 2011

Tudo que chega, chega sempre por alguma razão...

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Felicidade é só questão de ser...


Após tantos dias  naufragada em meio a tristeza absoluta eis que me surge um pensamento bem lá do alto de minhas faculdades mentais supra interiores. A felicidade, ao contrário do que se pensa, não é uma inconstância. Repare bem, mesmo no mais absurdo breu não se invalida a existência da luz. Assim, também, ocorre com a felicidade. Mesmo sem percebe-la ela está lá em meio  aos absurdos diários sorrindo e pedindo passagem entre os vales e abismos da alma. Olhai bem, porque se há tristeza, há também felicidade, pois , desde sempre os reversos da vida  co-habitam os mesmos espaços. O que muda ou interfere na percepção desses emaranhados é o maneira como se posiciona o olhar.

"...No fundo é fácil ser feliz, difícil é ser..."


segunda-feira, 31 de outubro de 2011


terça-feira, 25 de outubro de 2011

domingo, 23 de outubro de 2011

Paulinho Moska - Seu Olhar




...gosto quando olho pra você
gosto mais quando seu olho vem
Na direção do meu
Gosto ainda mais quando esquecemos
Onde estamos
e olhando em volta escolhemos
a mesma coisa para olhar...

sábado, 22 de outubro de 2011

A menina do conta Gotas...



Encheu seu conta gotas com os sentimentos mais nobres. Sabia que dali por diante  as doses seriam sempre homeopáticas, nada além do preescrito, doses controladas de tudo que lhe pudesse atingir em cheio o coração. Não queria o vício e por isso se contentava  com o  falso controle exercido sobre seu sentir. Uma risada nunca era inteira. O choro durava apenas alguns minutos, assim levava a vida  crendo que poderia mensurar o seu  sentir.  Olhava para o passado em tempo real como se a vida em algum momento o botão do pause tivesse emperrado. Talvez por isso, acreditasse tão fielmente que nada além do pensando, calculado, repensado pudesse lhe acontecer. Estava sempre preparada para tudo, controlava os riscos.. Seus romances duravam  semanas, nunca meses. Era difícil estabelecer qualquer relação nova. Nunca era a hora, o momento certo, a pessoa certa...antes de dormir tecia um tipo estranho de oração, onde questionava a Deus o porquê daquela falta de sorte. Seguia sempre pela mesma rua, vestindo sempre as mesmas roupas, o mesmo corte de cabelo , as mesmas idéias.  Odiava os pós-modernos e sua tendência crônica à mutabilidade. Por isso, dificilmente frequentava outros locais sem ser a  fortaleza â qual denominava casa. Talvez, por esse motivo, nunca tenha percebido que ao usar o fabuloso poder do conta gotas sentimental  após tanto tempo  desenvolverá  um efeito colateral quase imperceptível... havia petrificado seu coração. Ao contrário do homem de lata, que possuia um coração sem saber tê-lo.  A menina do conta contas sabia da existência do seu  e o classificava sem pestanejar como ineficiente e inoperante. Decretava assim sua morte em vida, pois, todas aquelas ruínas do passado haviam transformado seu pequeno coração no mais refinado e insalubre pó.



quinta-feira, 20 de outubro de 2011

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Exception

Talvez eu saiba em algum lugar no fundo da minha alma
Que o amor nunca dura
E nós temos que arranjar outros meios
De fazer isso sozinhos ou manter a cabeça erguida
E eu sempre vivi assim
Mantendo uma distância confortável
E até agora eu jurei pra mim mesma
Que eu era feliz com a solidão
Porque nada disso nunca valeu o risco
                      ( Paramore)

mas...


terça-feira, 18 de outubro de 2011

Escutaaaaaaaaa


Chega de ficar  implorando para Deus te levar para longe dessa loucura diária. eu sei que você anda perdendo o fôlego,  pela manhã seu corpo parece sem vida  e tudo que te resta ao final do dia é a certeza de não ter feito nada, nada, nada. A vida tem dado voltas em torno de ti. Nem precisava contar, é tão nitida essa tua incontinêcia vital, sempre se escorando nas paredes de palha dessa sua casa velha, feia e maltratada. Não consegue? Ah, consegue sim. Ou será que ainda insiste em acreditar  que a felicidade é uma exclusividade da vida  alheia. Escuta, essa história de Karma, de casta  não passa de um subterfúgio para aqueles que desistem em vida. Não é fácil ter a carne dilacerada, o coração triturado e o espirito engaiolado, entretanto, nada disso me desperta pena de ti, quantos outros por aí, sofrem dessa mesmice. Não me excluo, não me excluo... Lá vem , não me diga que não tenho noção do seu sofrimento, porque terei que concordar, não tenho mesmo. Sofrer, como  qualquer outro sentimento, é subjetivo, O que  desejo que compreendas é que ficar implorando a Deus uma morte rápida, o abate não resolverá teus problemas. Afinal, se existe um Deus que olha por todos nós misericordiosamente ele  deve estar lá do alto repetindo baixinho em seu ouvido: não desista, estou contigo. O problema é que tu estás tão empenhado em reclamar, injuriar, ser o coitadinho da história que dificilmente o ouvirá e verá no mundo que não és o único em agonia pela simples comodidade do sofrer.





Palavras


A palavra tem o dom de curar, de aproximar, juntar,  aquecer, orientar, esclarecer, perpetuar, enriquecer,  matar a saudade, secar lágrimas ou fazê-las escorrer, amenizar, abater,  dissolver conflitos,  estabelecer...mas, palavras precisam de atos e da concretude diária para ser na prática o que é em tese. Porque palavra por palavra  é apenas nada enfeitadinho com bordado inglês.



sábado, 15 de outubro de 2011

visão



Add caption

Daqui por diante serei clichê,,, então, se não está acostumado(a) a me ver falar de sentimentos tão bonitinhos copie, cole e arquive. Pois, este é um momento raro, meu caro.

Enquanto  tu dormias  te olhava sem culpa, sem pressa. Gravei cada particula do que via dentro da retina e gostei. Gostei sem pressa, sem confusão... certa de que aquela era  a melhor visão do mundo. Te var assim tão desprotegido  entrgue aos braços de Morpheus despertou em mim um desejo desvairado  de lhe guardar dentro de um abraço, lá onde tudo se finda: a saudade, as dores, o tempo... e mesmo não acreditando na eternidade infinda por um segundo te gravei dentro de mim. Ah, pequeno tu não sabes nada de mim e me vens com esses momentos simplistas e tão desprovidos de formalidades banais...sem flores, sem chocolate,  sem as benditas borboletas bailarinas, sem promessas. E eu cada vez mais envolvida nesse ardil. Faz tempo que tirei a armadura e deixei que tu me golpeasse tão complacentemente. Não é amor, não é paixão... é um misto  de tudo que se pretende ser sem qualquer obrigatoriedade. É o mistério do planeta, "é o oposto do osso"...sem perguntas, sem respostas seguindo apenas as matizes do tempo...




domingo, 9 de outubro de 2011

ELemelê

"Então me vens e me chega e me invades e me tomas e me pedes e me perdes e te derramas sobre mim com teus olhos sempre fugitivos e abres a boca para libertar novas histórias e outra vez me completo assim, sem urgências, e me concentro inteiro nas coisas que me contas, e assim calado, e assim submisso, te mastigo dentro de mim enquanto me apunhalas com lenta delicadeza deixando claro em cada promessa que jamais será cumprida, que nada devo esperar além dessa máscara colorida, que me queres assim porque assim que és..."

Caio Fernando de Abreu


Better Man (Madison Square Garden - New York, NY 5/21/201...


Não sou perfeito, que dirá perfeito para vc...
Quem disse que precisa ser assim?

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Ah.


Ah, pequeno por que me subverte assim tão docemente  aos teus despropósitos. Há tempos as borboletas, os arrepios e aquelas coisas todas que dizem por aí já não faziam minha cabeça dessa maneira tão simplista e irreal. Não diria para minhas amigas que és igualzinho aos meus sonhos mais pueris. Nada disso, não sou dessas meninas que criam seus pares imaginários e passam a vida a procura-los e seguem na vida sem perceber  que só existem mesmo em pensamento...garanto, todos esses sentimentos informes não estão apressados em definir nada. Esses são tempos de vida e nada que me prenda ou me faça preconizar os atos é viável.Porque nesse momento quero  a imcomprensão das palavras e o silêncio das estrelas através de beijos demorados e carinhos inesperados...As vezes até gostaria de ser a mulherzinha carinhosa e atenciosa que todo homem procura em substituição da própria mãe, mas meus instintos maternais não são tão fortes assim. Então, desculpa aí, se meu jeito nem sempre é fofinho. Saiba de antemão é na tua meninice e na tua desorganização espiritual onde encontro  aquilo que sempre procurei,  a paz da completude de ser um sem esquecer da existência do outro, de poder ser mulher sem apagar a menina dos olhos. Assim como o "Cérebro" quero conquistar o mundo, o teu mundo...sem ser obrigada a abandonar meu urso.Vem cá, pequeno...mesmo no verão há dias tortuosos de inverno. Entenda, se hoje te chamo é porque mesmo com as mãos vazias  tu me trazes sempre flores do campo.


segunda-feira, 3 de outubro de 2011

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Reticência...







Gosto de reticências, ponto final é tão doloroso...




quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Flerte...


Sentou-se a beira do abismo, cruzou as pernas e olhou lá para baixo.Tentou definir se o que sentia era vertingem ou apenas um flerte com o perigo. Sentiu saudade de muitas coisas, de tantas pessoas. Lembrou-se de quando era pequenas e o mundo lhe parecia tão gigante. Agora, presa a rotina diária já não via graça em nada. Aqueles dias eram sempre muito iguais e levantar da cama se tornou cada vez mais irreal. Sua realidade era dura e estática., o que lhe fazia perder completamente a razão. Chorava por horas como se chorar lhe garantisse lavar as paredes internas de toda aquela merda fétida em que se resumiam seus afetos. Não entendia os rumos que lhe fizeram chegar até ali; a perda, a falta, os tapas? Sabia que era uma questão de tempo deixar o esconde-esconde de lado e partir para algo mais animado, quem sabe roleta russa seria o caso. Se bem que já fazia isso, quando desistia dos seus planos usando aquelas velhas desculpas de sempre...sempre deixou que alguém conquistasse o impossível por ela. Definitivamente não era aquele o dia em que mudaria os  rumos do seu sofrer. Levantou-se do chão, ergueu os braços e se jogou...  a escuridão daquele abismo lhe parecia familiar e nada mais apropriado que deixar tudo em seu lugar...mudar dá trabalho e no começo é ainda mais penoso que todas as feridas em carne viva que alguém possa carregar..

.

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Temor

No meio daquela confusão afetiva ainda batia um coração in natura...




segunda-feira, 26 de setembro de 2011


"Solteira? Que nada, estou seguindo carreira solo com participações especiais!"


domingo, 25 de setembro de 2011

sábado, 24 de setembro de 2011

Porrada

È estranho como desafetos atuais nos fazem lembrar dores antigas.
Que mundo é esse meu  Deus onde  até as porradas são cicladas...




sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Até quando...

Já sem força, perguntou ao coração:
- Até quando você vai ficar levando porrada,
até quando vai ficar sem fazer nada?



terça-feira, 20 de setembro de 2011

segunda-feira, 19 de setembro de 2011


domingo, 18 de setembro de 2011

Miedo...

O medo é uma linha que separa o mundo
O medo é uma casa aonde ninguém vai
O medo é como um laço que se aperta em nós
O medo é uma força que não me deixa andar
                                  ( Lenine)




Clara sempre viveu soterrada sob seus sentimentos. Ora amava d+, ora amava de menos. Sua vida era uma expressão irracional, sempre diante do mesmo ponto: a espera de alguém que lhe juntasse o que estava disperso, embolado. Suas urgências não eram resumidas a ausências, porque na vida não lhe faltava muito. Entretanto, por baixo da caixa toráx, lá onde ninguém sem permissão conseguia ver, havia uma bagunça instalada que sempre lhe empurrava a sentir por um o que deveria sentir pelos outros... como se o ato de sentir estivesse sempre empregnado por um destino avassalador predestinado ao sofrer. Isso lhe causava pesares e dias tão sombrios como os silêncios que constantemente lhe acometiam os dias. Passou a não querer, pois, querer não tinha mais nada de lindo e feliz como os contos da carochinha. Querer era viver entre a linha tênue que habita todos os sentimentos contrários. Já não percebia, mas o medo, antes parte,agora lhe preenchia todos os espaços. E  mesmo se debatendo entre o desejo de se resolver e a vontade de deixar tudo como está, percebeu  de sopetão que entre todas as variações o seu  MEDO era o de  não corresponder as expectativas.


quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Fofoca Erudita JUJUBAS


Bota pra fora o que há de ruim,
não pense mais no que não foi
deixa a tristeza pra lá ahh
essa descrença no amor

marrá aah aah ai e abitubaiê

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Caixa Mágica


Ah... queria te escrever umas linhas só para deixar registrado o desejo de lhe ter desvelando meus segredos. Pode ser que dure muito ou só um pouquinho. Vai saber o que é eternidade...pra mim eterno é tudo aquilo que ao terminar fica grudado no peito feito cera quente, e se vc tenta tirar sente latejar e doer. Não se preocupe não é amor, não é paixão.... é um misto de sei lá o quê. Das certezas que teço nesse momento só mesmo essa vontade de deixar a porta aberta e bordar um caminho de estrelas que a ultrapasse. Quero te ver caminhando entre os meus abismos, sem resgate. Quero apenas te mostrar quem sou de verdade. De certo, talvez seja assim que os amores nasçam, no momento em que nos permitimos ser. As dores? Deixei pra lá. Porque no fundo todo mundo é uma caixa mágica escrito: abra-me se for capaz. Não se trata de uma questão de força,vontade, desejo, intensidade....basta apenas tocar o ponto certo para que a caixa se abra sem meias delongas, sem muito trabalho...vc tocando minha alma de um modo sui generis Foi assim que chegamos até aqui...

domingo, 11 de setembro de 2011

...

Acordei com aquela bendita palavra no canto dos lábios  tentando de todas as maneiras fazer parte do mundo. Desejando ser : a verdade, a mentira, o extremo,o meio, o inicio, o fim. Grudada pela calda, debatia-se no fundo da garganta. Queria sair, queria ser para mim, para você. Expandia-se como o ar quente dos balões. transbordando de cor aquela manhã de domingo. Os olhos que eram tristes, ficaram vivos. A pele opaca, ficou laranja, rosa, lilás, amarela...que  bendita palavra era essa? Era desejo imbuído  no desconhecido desconcertante, era a vontade alheia aos grilhões que ainda me prendiam ao chão...me debatia, me contorcia enquanto aquela palavra no canto da boca crescia...


Eu!!!

  Recebi esse texto de uma amiga muito querida. Resolvi postar porque elamelê e o texto nem se parece comigo. kkkk E só para deixar registrado, queria lhe dizer que é sorte...pura sorte ter vc e eles ao meu lado... Oh, destino que sincronicidade é essa.


'Eu não sou legal, não mesmo. Acho que sempre tenho razão e quando minhas previsões dão certo olho com a cara mais abominável do mundo, dou um sorriso irônico e falo o clássico eu-te-avisei. É que, em geral, eu tenho razão. Essa é a primeira –e mais importante – coisa que você precisa aprender a meu respeito. (...) Não sei receber elogios, fico sem saber o que fazer, me atrapalho e acabo trocando de assunto – quando não troco as pernas e tropeço em algum canto de mim. Sorrio para disfarçar desconfortos. Se eu não gosto de você é bem provável que você tenha medo do meu olhar. E eu posso simplesmente não gostar de você de graça. Se eu gostar de você aviso de antemão que você é uma pessoa de sorte. Eu me entrego. Quem vive comigo sabe. Quem convive comigo sente. Eu amo poucos. Mas esses poucos, pode apostar, amo muito.'

Clarissa Corrêa



PS: Te amo infinito, pessoinha. Ah, nem falo mais eu te avisei.Basta olhar. kkkk

sábado, 10 de setembro de 2011

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

...

Não espere de mim equilibrio. Tenho a alma livre da criança  preste a descobrir os sentidos., o gosto, o som... quero ir além da cor, do tempo, do espaço...quero o riso em gargalhada, daquelas que fazem doer a barriga e demoram horas a serem desfeitas. Estou tentando não pensar em nada que exija de mim qualquer pragmatismo. Desordem e simplicidade é o que busco.  Sem holofotes, racionalidade, complicação, escravidão...Quero a servidão, servir a mim...aos meus pequenos desejos e vontades. Não te deixarei sozinha entregue ao meu egocentrismo, pelo contrário,se quiser poderá estender a cama na varanda ao meu lado. Só não espere a socialização dos meus pensamentos, da minha verdade. Por hoje, só compartilharei contigo a vastidão desse  céu estrelado.




Aprenda a olhar para dentro de si mesmo com sinceridade
e então poderá ser sincero com as outras pessoas.
 - All mixed

terça-feira, 30 de agosto de 2011


Pergunta rápida e certeira

domingo, 28 de agosto de 2011

Dentro

Ela queria gritar, mas isso era impossível. Todos os seus esforços eram convertidos ao transbordamento dos benditos canais lacrimais...não entendia como aquele silêncio inoportuno sempre lhe tomava a alma nos momentos em que mais precisava se fazer entendida.Dentro não era oco, não era seco, não era vazio...lá, ela existia com tanta força, com tanta beleza que a fazia acreditar na segurança do lugar. Tecia seu ninho interior como os pássaros fazem in natura. Trazia de vários cantos, alguns longicuos, pedaços minusculos daquilo que lhe agradava ao lhe despertar a alma. Enquanto crescia para dentro,alienou-se ao que estava fora. Já não possuia o mesmo olhar sobre o mundo, seu coração estava cego. Sentia medo e, por isso, se entorpecia de si.



object width="353" height="132">

sábado, 20 de agosto de 2011

Dia lindo... saindo para olhar os pássaros, porque ficar em casa olhando os declínios do meu umbigo já não bastam aos anseios dessa velha alma. siga-me se for capaz.







terça-feira, 16 de agosto de 2011

Tá vendo aquele ponto? Então, é lá que quero chegar...
 
 
 
 

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Engenheiros do Hawai - Dom Quixote

Só para lembrar que ainda insisto mesmo tendo os braços quebrados, as pernas feridas, os dedos comidos e o coração em mil pedaços...

domingo, 7 de agosto de 2011

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Rs




terça-feira, 2 de agosto de 2011





segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Rascunho

Nada de versos
Nada de rimas
Na alma só um monte de rascunhos...


Term of Use

Observar é interessante, comentar é obrigatório

Breves linhas

“Seja você quem for, agora, segurando a minha mão, sem uma coisa há de ser tudo inútil_ é um leal aviso que lhe dou, antes que continue a me tentar_ não sou aquele que você imagina, mas muito diferente. “ ---Walt Whitman----